Cerveja de Trigo: suave e macia como os campos de lá

29 Comentario(s)
campo de trigo 1888

A cerveja de trigo é a porta de entrada para novos consumidores de cerveja artesanal. Provavelmente porque, sem muito lúpulo, ela não se caracteriza pelo amargor pronunciado, facilitando o paladar do querido novato (beijo, Pedro Alex :)) Nascida e consumida principalmente na região sul da Alemanha, a famosa Baviera, ela foi apelidada de Weissbier (cerveja branca) por ser mais clara que as Ales consumidas na Idade Média, mas também atende pelo nome de Weizenbier (cerveja de trigo). Dá tudo na mesma. Ela veio pra ficar, ganhou o velho mundo, atravessou oceanos e chegou às Américas.

Para nosso clima ela é excelente. Primeiro, porque é uma cerveja refrescante e seus componentes cítricos, com toques de banana e laranja, combinam com o clima tropical. Mas não é só isso: elas casam muito bem com peixes ou frutos do mar, com pratos apimentados ou petiscos picantes, sendo uma companhia perfeita para a vida praiana. Considerando que temos oito mil quilômetros de litoral, sua carreira promissora está apenas começando no Brasil.

Além da cevada, usual em outros tipos de cerveja, a Weissbier (chamada também de Hefeweizen, Weizenbier ou Hefeweissbier) contém malte de trigo, o que lhe confere um aspecto turvo porque o trigo não é tão facilmente filtrável. Mas não se importe com sua aparência opaca: é nela que reside toda a graça e complexidade das Weiss. E é no fundo da garrafa – que deve ser guardada de pé na geladeira e não balançada antes do consumo – que fica o depósito espesso de leveduras que deve ser misturado ao copo na hora de servir. Como geralmente as cervejas de trigo vêm em ampolas de 500 ml é recomendado aquele copo alongado, para o aproveitamento deste néctar depositado no fundo da garrafa. Se você não o tiver à mão ou for dividir, basta compartilhar também a levedura, fraternalmente.

As marcas alemãs mais conhecidas ao redor do mundo são Paulaner, Erdinger, Schneider Weisse, Weihenstephan e Franziskaner, sendo esta última a preferida das Lupulinas. Tivemos também o prazer de experimentar a Watou’s Wit, uma belga fabricada em Poperinge, a capital do lúpulo. Bem refrescante e com um toque de limão maravilhoso. Uma boa relação custo-benefício aqui no Brasil é a lata da Oettinger Hefeweizen, honesta e equilibrada.

Mas a delícia mesmo é que as cervejas de trigo começaram a ser fabricadas no Brasil por cervejarias artesanais que têm oferecido uma variedade incrível. Misturando ingredientes locais, como pede a tradição do artesanal, listamos abaixo algumas de nossas preferidas (lembrando que, assim como novas marcas saem e entram no mercado, estamos em constante atualização).

As Brasileirinhas

- Eisenbahn Weizenbier (Cervejaria Eisenbahn, Blumenau, SC) – bem aromática é nossa brasileira de trigo preferida. Bem mais densa e encorpada do que as similares nacionais, tem boa acidez, com acentos de banana e cravo. É naturalmente turva, além de possuir uma linda cor dourada. É bastante refrescante também. ABV 4,8

- Hop Weiss (Cervejaria Bodebrown, Curitiba, PR) – o mestre cervejeiro conseguiu adicionar mais lúpulo (inclusive fresco, através de dry hopping) a esta cerveja de trigo de maneira bastante equilibrada. Nem o frutado e nem o amargor se sobressaem, sobrando frescor. Adoramos porque apreciamos adição de lúpulos (tradicionais amantes de Weiss podem estranhar, contudo).  ABV 4,9 IBU 34,1

- Bamberg Weizen (Cervejaria Bamberg, Votorantim, SP) – bastante leve, refrescante, com banana discreta (mais no aroma que no sabor) e sutil amargor e boa acidez que a deixam menos frutada. ABV 4,8

- Appia – (Cervejaria Colorado, Ribeirão Preto, SP) – o diferencial é a utilização de mel em sua composição. ABV 5,5

- Wäls Witte (Cervejaria Wäls, Belo Horizonte, MG) – refrescante, de receita belga, traz ao paladar gosto de laranja e especiarias. ABV 5 IBU 20

- Witbier Taperebá (Cervejaria Amazon, Belém, PA) que como o nome indica leva em sua receita a fruta amazônica taperebá, também conhecida como cajá. Bem refrescante, ela segue a tradição das receitas belgas. ABV 4,7

 

P.S.: Não incluímos a Hoergaarden nesta lista porque ela tem uma fabricação diferenciada e ganhará um post só dela. #kiridinha

 

 

Related posts:

29 thoughts on “Cerveja de Trigo: suave e macia como os campos de lá

  1. Não conhecia o blog. Entrei para ler este post pois adoro cerveja de trigo. Taí, bem bacana mesmo! Depois vou passear um pouco mais pelo blog para conhecer melhor. Essa semana conheci um cervejaria artesanal chamada Noi, da cidade de Niteroi/RJ. Adorei! Lá também tem a de trigo e se chama Noi Bianca #ficadica.

  2. É tanta opção… e nenhuma em Terê…
    Na verdade, como não sou entendida, também não sei procurar.
    Seria muito herético pedir um post sobre as cervejas comuns menos aviltadas? Ou não tem jeito, é tudo milho transgênico e pronto?
    Tristeza de vida essa…

    • A Três Lobos Exterminador de Trigo é sensacional, leva Capim Limão na receita.
      Mas definitivamente não é uma cerveja de trigo "fácil" como elas foram descritas no texto. Eu estava esperando uma cerveja suave, cházinho de capim limão… Ledo engano, como as outras da série Três Lobos, a cerveja é carregada no lúpulo e bastante amarga, o que lhe dá uma personalidade ímpar comparada com suas irmãs de trigo.

  3. Uma ótima cerveja de trigo brasileira é a Weizen da cervejaria Casa do Fritz, de Penedo/Atatiaia. A melhor cerveja de trigo nacional que já tomei, bate a Eisenbach tranquilamente na minha opinião.

  4. Lamentavelmente, o Post não cita as cervejas artesanais de Santa Catarina, com sua larga tradição de cervejas artesanais de origem alemã. Cito apenas a OPA (de Joinville) e a Saint Bier (de Forquilhinhas), para não mencionar outras menores, mas também de grande qualidade, inclusive com o tipo Ale (não é Bier!)
    Eu hoje sou um cultor dessas cervejas, colecionando-as e bebendo-as COM SEUS COPOS APROPRIADOS. Já que os vinhos têm seu ritual, as cervejas também o devem ter. É demais!

    • OK. Como morador de Santa Catarina, há mais de 35 anos, embora sendo carioca, não acho justo uma exclusão das cervejas artesanais daqui. E isso para não mencionar as do Rio Grande do Sul!

  5. Sou do interior de São Paulo, e na cidade de Brotas, tem uma cervejaria artesanal , e a cerveja de Trigo deles é perfeita, com frescor muito preservado… vale a pena conferir Brotas beer!

  6. a OPA , e a Saint bier realmente são muito boas, assim como a coruja do RS, que por sinal esta ultima tem alguma produzidas pela saint bier. Temos em Sorocaba a Burgman, que também é boa.

  7. Senhores, conheci cerveja de trigo nas minhas férias em campos do jordao e me apaixonei de cara, é o máximo quero entrar nessa prazerosa brincadeira e provar todas.

  8. Gente, adoro cerveja de trigo. Meu namorado e eu fomos pra Sto Antônio do Pinhal-SP e, no meio de um passeio, encontramos uma "loja" de vinhos e cervejas. Lá, tive (por curiosidade e agradeço muito isso!) o enorme prazer de comprar uma cerveja que me apaixonei: ARAUKARIEN Weinzenbier. Pena, só vendem por lá e em pequena quantidade. Mas show, muito boa!

  9. Muito bem lembrado… A Wäls de BH só ganhou o primeiro e o segundo lugar no campeonato mundial de cervejas…. Kkk temos as melhores cervejas do mundo..

  10. Sou amante dos produtos artesanais, por acreditar possuir uma personalidade ímpar à suas criações. Isso é fascinante e me empurra para a experimentação, apesar de ainda não ter tido o prazer de degustar a cerveja de trigo o que é ultrajante. hehehehehe, vou mudar isso gente!!!!
    No próximo comentário deixarei minha impressão.
    Parabéns pelo blog e ficarei de olho nas atualizações.
    LuBraga

  11. genteeee, to fazendo um trabalho da faculdade sobre cervejas artesanais, iremos fazer o nosso rótulo e tudo mais e esse blog foi um achado! maravilhoso, ótimo! to apaixonada! <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>